sexta-feira, 30 de julho de 2010

Jogadores da Coreia do Norte castigados

O resultado da selecção norte-coreana no Mundial veleu-lhes um castigo. Isto vem provar que, por muitos problemas que o nosso país tenha (e tem), é um paraíso comparado com países como este (e existem bastantes).

Já se sabia que a Coreia do Norte é um país muito fechado, pouco dado a
grandes exposições mediáticas. O Mundial’2010 já terminou há algum tempo, mas só
agora é que foi tornada pública a forma como os jogadores daquela seleção
asiática foram recebidos no seu país, após a fraca campanha na África do
Sul.
E, de acordo com relatos da imprensa local, o governo norte-coreano não
foi nada meigo, tendo aplicado severos castigos a todos os intervenientes que
participaram na prova – exceto a estrela Jong Tae-Se, devido ao seu bom
rendimento e por se ter emocionado no momento do hino nacional no jogo
inaugural, e An Young-Hak, que viajou diretamente para o Japão.
Durante seis
horas, os jogadores tiveram de perfilar-se, completamente imóveis, diante do
Palácio da Cultura Popular de Pyongyang, onde ouviram insultos por parte do
ministro do Desporto, Pak Myong-Chol, pela fraca prestação no Mundial, o que
terá desrespeitado o Querido Líder, título propagandístico do chefe de Estado
coreano Kim Jon-Il. Pior destino teve o selecionador Kim Jong-Hun, o qual foi
castigado a trabalhos forçados, segundo avança a Radio Free
Asia.
Apesar de a seleção da Coreia do Norte ter sido apontada
desde o início como uma das equipas mais frágeis, a verdade é que o governo
comunista coreano exigia que o seu país ultrapassasse a fase de grupos, e tinha
esperanças de atingir os quartos-de-final, repetindo desse modo o sucesso
registado na estreia da equipa em Mundiais, no Inglaterra’1966.
Recorde-se
que a Coreia do Norte somou três derrotas nos jogos realizados. Depois de um
início prometedor frente ao Brasil (1-2), a goleada imposta por Portugal (0-7)
acabou com as aspirações dos coreanos. Na última partida, a Costa do Marfim
venceu por 3-0 e os coreanos foram para casa.

Sem comentários:

Enviar um comentário