sábado, 22 de janeiro de 2011

Votar ou não votar: eis a questão...


Este cartoon ilustra bem aquilo que muitas pessoas pensam e fazem. Isto é uma das coisas que mais me irritam.

Amanhã vai haver eleições. Vamos eleger o Presidente da República. E, quase que aposto que, mais uma vez, a abstenção vai ser muita. Pois, este blogue vai agora fazer serviço público. Meus amigos: vão votar! O país está mais que mau, bem sei. Os candidatos não parecem grande coisa, também sei. Mas vão votar. Votem em branco, ponham uma cruz em cada quadrado (voto nulo) ou escrevam "Manel da Esquina para Presidente", mas vão votar! Se votarem, não ganhar quem vocês querem e depois essa pessoa não fizer nada de jeito, podem sempre dizer: "Eh, pá, eu tive razão em não votar neste gajo (ou em branco, ou nulo)!". Se votarem, ganhar quem vocês querem e depois essa pessoa também não fizer nada de jeito, podem dizer: "Olha, votei neste gajo e agora ele só faz porcaria!". Mas, se não votarem, não podem reclamar. Abdicam desse direito.

Bem sei que vou repetir o que se ouve muitas vezes, mas aqui vai. Há muitos países no mundo onde as pessoas não podem votar; essas pessoas dariam tudo para terem esse direito. Os nossos avós não puderam votar durante décadas; nas primeiras eleições depois do 25 de Abril havia filas de quilómetros para votar. E as mulheres que lutaram durante décadas para que outras mulheres tivessem esse direito?

Que uma pessoa como a minha avó paterna, que tem 90 anos e já não se levanta da cama, não vá votar, é perfeitamente compreensível. Que uma pessoa como eu, jovem e de boa saúde, não vá votar porque está a chover, ou frio, ou outra desculpa qualquer, não é sequer admissível (a não ser que tenham uma muito boa razão). Vão votar. Seja em quem for. Mas vão!